Barack e Mubarak: Na Corda Bamba

Manifestante segura bandeira do Egito em frente aos canhões de água.

Há cerca de 30 anos,  Hosni  Mubarack  tem sido o presidente do Egito.  Aliado dos Estados Unidos,  foi fundamental para aquele país na Guerra do Golfo.

Com os recentes protestos que assolam o país árabe,  Barack Obama ficou numa posição delicada: com sua popularidade em baixa e a crise interna, não pode se comprometer apioando um governo nefasto em queda. Mas também não pode abrir mão do Egito, correndo o risco de subir ao poder um  novo governo  que não se coadune com a política norte-americana. Como os religiosos.

Por aqui, Dilma já disse que o Brasil não pode  ter opinião sobre tudo, declarando apenas que torce para que o Egito possa ter um governo democrático, enquanto a Revista Veja estampa na capa seu temor  de que  o país seja tomado pelos radicais, amparada no que aconteceu no Irã.

Rafael Knabben, do blog  Pólo Oeste, oferece a resposta:

“(20:18) Suspeito que esse medo relativamente exagerado provenha da péssima experiência do ocidente com os movimentos políticos islâmicos em geral e pelo que aconteceu no Irã. A partir de então, qualquer tentativa de democratização não guiada no Oriente Médio se tornou suspeita, senão inimiga. E o Egito está sendo exemplo disso.

É notável e perturbador como o posicionamento de políticos e líderes de países que se dizem livres e democráticos têm sido obscuros e preconceituosos. Principalmente quando o resultado disso é a permanência de um ditador no poder. Mesmo que ele continue lá para efetuar uma “transição ordenada” para a democracia com grupos oposicionistas.

É muita ingenuidade ou cinismo acreditar que um processo desse tipo, conduzido através do aparato político de um regime autoritário, vá levar a uma redemocratização de fato.

(19:58) Existe um medo considerável de várias parte que o Egito do futuro seja um novo Irã. E alguns chegam a dar isso como certo. Apesar de haver a possibilidade de a Irmandade Islâmica encabeçar algum governo e se aproveitar disso pra se reproduzir no poder (ou de trair a revolução como os aiatolás), isso está longe de ser algo certo.

O que não se tem relevado, primeiro, é a força do exército no Egito. Seja pelo seu poder físico como pelo apelo que tem junto a muitos setores da população do Egito, ele é muito provavelmente a instituição mais poderosa do Egito.

Já a Irmandade Islâmica, ela também tem grande apelo com a população, principalmente com os mais pobres (a grande maioria do país). A organização possui vários trabalhos sociais e usa a entrada que a religião dá. Mas, ainda assim, ela é limitada no que tange ao apoio militar e de várias outras classes egípcias. Nas eleições de 2005, 20% dos eleitos eram ligados a ela. É bastante, se levarmos em conta que com certeza esse número foi maior e manipulado pelo regime de Mubarak, mas não o bastante para varrer o país num segundo momento revolucionário como os aiatolás iranianos.

Ou seja, se for para temer que alguma instituição vá destruir o processo de democratização no Egito, é melhor pensar no Exército”.

Acompanhe a cobertura completa de Knabben sobre os protestos no Egito:

http://polooeste.wordpress.com/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s