Egito: Ainda não Acabou

Lindevania Martins

Artigo publicado por David D. Kirkpatrick e David E. Sanger, no New York Times, mostra como foi organizada a revolta no Egito: as liçoes aprendidas com os tunisianos – “juventude egípcia, coloque vinagre ou cebola sob o cachecol para amenizar o efeito do gás lacrimogênio”; o papel da Irmandade Islâmica –  que como uma organização secreta e ilegal estava acostumada a atuar sob disciplina hierárquica; das torcidas de futebol – acostumadas a confrontos com policiais no estádios; do Movimento 6 de Abril – que criou uma comunidade no Facebook e organizou as primeiras manifestações pela internet; da Academia da Mudança – cujos membros teriam treinado os manifestantes para resistirem às investidas policiais; da influência das idéias do pensador Gene Sharp – “a não-violência é um meio eficaz para minar estados policiais que poderiam usar a resistência violenta como meio de justificar a repressão em nome da estabilidade”; da ajuda do executivo da Google Wael Ghonin; das redes sociais, como Facebook e Twitter; etc.

Mas uma revolução é só o começo e nenhuma transicão é fácil.

A Agência Reuters noticia que, em greve, os trabalhadores têm  se reunido no Cairo  e em outras cidades egípcias para protestar contra os baixos salários e péssimas condições de trabalho.  O governo militar ainda não suspendeu a lei de emergência decretada por Mubarak, nem libertou os milhares de presos políticos levados à cadeia pelo ditador. Manifestantes ameaçam voltar a Praça Tahrir se sua demanda por mudanças radicais não forem atendidas. The Guardian registra a fala de um dos ativistas egípcios, Alaa Abd El Fattah:  “Precisamos que o Exército reconheça que esta é uma revolução e que eles não podem realizar todas as mudanças sozinhos”.

O Exércio, que retirou na segunda-feira os últimos manfestantes que ainda permaneciam na Praça Tahrir, tenta convencer os egípcios de que fará a transição para um governo democrático, através da convocação de eleições livres e justas, pedindo a eles que voltem a seus postos de trabalho. Na tv estatal, um comunicado foi lido por um porta-voz do governo militar, também nesta segunda-feira: “Nobres egípcios, percebam que greve, nesta situação delicada, levará a resultados negativos”.

Os militares não apresentaram nenhum calendário para as eleições. Mas caso ela acontecesse agora, em razão de  uma oposição fraca e fragmentada, a conservadora Irmandade Islâmica provavelmente seria o grupo mais bem organizado para uma disputa eleitoral,  o que preocupa os Estados Unidos pela postura notadamente radical e anti-americana do grupo religioso. Pela Constituição egípcia, ela não poderia participar do processo eleitoral.  Mas atualmente  a Constituição se encontra suspensa.

Enquanto isso, a vizinhança está em polvorosa.

 

A polícia de Jerusalém, temerosa de que, sob a  influência  do Egito, ocorressem revoltas na Cisjordânia, restringiu ao acesso ao Monte do Templo (Esplanada das Mesquitas) – lugar sagrado para judeus e mulçumanos. Com a queda de Mubarak, resta para Israel a preocupação com a influência islâmica na região e com o possível descumprimento do pacto de paz entre os dois países.

No Irã, segundo o site Democracy Now, dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas nesta segunda-feira. A polícia agiu com violência e pelo menos uma pessoa foi morta, entre inúmeros feridos. Outras foram detidas. Dois líderes da oposição estão sendo mantidos sob prisão domiciliar e fala-se inclusive de risco de execução.

Em Bahrein, dois manifestantes foram mortos pela polícia, o segundo durante o funeral do primeiro. As mortes elevaram a tensão. A oposição se retirou do parlamento. O rei Hamad pediu desculpas  publicamente em uma rara aparição na televisão e jurou realizar uma investigação para punir os culpados. Após o discurso, milhares de manifestantes se reuniram na Praça Pearl, no centro de Manama. A internet está sob restrição e não pode ser feito upload de vídeos e imagens dos protestos.

No Iêmen, os manifestantes continuam nas ruas, pedindo pelo fim do regime ditatorial de Ali Abdullah Saleh, que governa o país há mais de trinta anos, e reformas políticas. Armas de choque têm sido usadas contras as manifestações pacíficas e os confrontos têm sido duros. O governo, que bloqueou o acesso às praças públicas , descreve os manifestantes como traidores e os acusa de querer implementar no país agendas entrangeiras.

Refletindo sobre a situação na Arábia, Lamis Andoni, em artigo na Al Jazeera, diz que a revolução no Egito, ela mesma influenciada pela revolta na Tunísia, fez ressurgir um novo senso de pan-arabismo, baseado na luta por justiça social e liberdade, registrando que por todo o Egito, e na Arábia em geral, manifestantes empunhavam fotografias do ex-presidente egípcio Gamal Abder Nasser, morto em 1970.  No entanto, afirma que estamos testemunhando a emergência de um movimento pela democracia que transcende um nacionalismo em sentido estrito – ou mesmo pan-arábico, e que abraça valores humanos universais, ecoando por todos os lugares, ao promover um entendimento mais profundo da emancipação humana.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s